Três artistas de destaque no Carnaval de BH 2019 fazem balanço da folia

Marcos Sandália e Meia, Lira Ribas e Eduardo Moreira: três artistas de destaque no Carnaval de BH 2019 fazem balanço da folia – Fotos: Miguel Arcanjo Prado e Nereu Jr./UOL

O Carnaval de Belo Horizonte 2019 foi efervescente e marcado por uma forte politização, sobretudo nos blocos de rua. O Blog do Arcanjo no UOL, que acompanhou a festa mineira de perto no CarnaUOL, pediu a três artistas que foram destaque nos últimos dias para fazerem um balanço deste Carnaval. Com a palavra, o cantor Marcos Sandália e Meia, do bloco Tchanzinho Zona Norte, Lira Ribas, atriz e regente do bloco Corte Devassa, e o bailarino Eduardo Moreira, dos blocos Então Brilha e Chama o Síndico.

O cantor Marcos Sandália e Meia, que foi destaque no Carnaval de BH com protesto censurado pela PM no bloco Tchanzinho Zona Norte – Foto: Miguel Arcanjo Prado/UOL

“Em 2019, a relação entre Carnaval e política sai bastante fortalecida. É de se admirar a naturalidade com que pautas, demandas e insatisfações tornaram-se públicas em gritos, cantos e fantasias – especialmente contra o governo federal, práticas de abuso e discriminação. Isso mostra como qualquer tentativa de constrangimento a manifestações é arbitrária, vai contra o democrático direito à expressão e seria ótimo se os responsáveis pela segurança revissem metodologias, práticas e abordagens, tendo a diversidade e a pluralidade como tônica e não apenas a autoridade. Acredito que artistas, ativistas e defensores das ideias progressistas desempenharam um belo papel de resistência e o próximo passo é fazer com que suas narrativas alcancem mais pessoas, o ano todo.”
Marcos Sandália e Meia
cantor e vocalista do bloco Tchanzinho Zona Norte, que foi censurado pela PM no Carnaval de BH, fato que repercutiu nacionalmente

A atriz e regente Lira Ribas comanda a bateria do bloco Corte Devassa no Carnaval de BH – Foto: Nereu Jr./UOL

“O Carnaval de Belo Horizonte cresceu dentro de um posicionamento político. Ocupar o espaço público se tornou ato de resistência num tempo onde a rua estava sendo fechada aos interesses do povo. Aos poucos foram nascendo blocos dentro dos recortes e se tornaram espaço para dar voz a muitos grupos antes silenciados. Pular o Carnaval apenas se tornou pouco dentro do que esse movimento se propôs. Existe ainda a esquerda festiva? Existe. Mas já se consegue perceber quem faz do Carnaval esse ato político e resistente e quem faz da festa apenas um momento de lazer maquiado de movimento. A luta é intensa. Os corpos na rua são força visível. E esse ano foi da união das mulheres, negros e LGBTQI+s se posicionando de forma radical escancarando seus gritos nas ruas e avenidas (Salve, Mangueira!).Mesmo com a polícia ainda extrapolando em muitos momentos (o que não é novidade) e tentando impedir essa manifestação, o Carnaval de rua falou mais alto e mais do que nunca mostrou o lado que está.”
Lira Ribas
atriz e regente do bloco Corte Devassa, um dos mais belos do Carnaval de BH

O bailarino Eduardo Moreira durante desfile do bloco Chama o Síndico no Carnaval de BH – Foto: Miguel Arcanjo Prado/UOL

“Este Carnaval foi o mais politizado entre os demais, e acredito que pelo fato de conseguirmos protestar com nossa cultura e em forma de festa. Conseguimos fazer a esquerda festiva acordar, e com certeza os que não acordaram se sentiram bem incomodados. O Carnaval foi um grande fortalecimento coletivo, das feministas, dos negros e LGBTQI+ que gritaram a uma só voz que respeito é pra todos, exigindo igualdade, mostrando que a minha pele é igual a qualquer outra e que não é não. A polícia fez um papel nada respeitoso com grande parte dos protestos ocorridos, mas o povo merece respeito e espaço e, além disso, não iremos nos calar, pois temos voz e viemos mostrar isso. Continuaremos lutando por cada direito, uma vez que essa luta é dever de todos nós, seja em prol da igualdade racial, da igualdade entre os LGBTQI+ ou pelo feminismo. Folia e luta combinam com certeza, pois as manifestações e protestos ficam mais leves, sem deixarem o empoderamento de lado. Além disso, podemos festejar protestando e, consequentemente, sermos cada vez mais felizes lutando.”
Eduardo Moreira
bailarino e “muso” dos blocos Chama o Síndico e Então Brilha no Carnaval de BH

Siga Miguel Arcanjo Prado no Instagram

Please follow and like us:
Surra de estilo: Prêmio Bibi Ferreira 2022 Grammy Latino 2022: Veja brasileiros indicados! Travessia estreia em 10 de outubro na Globo Fred Raposo é destaque no Mirada Maitê Proença estreia O Pior de Mim em SP