Crítica: Na responsa, Rael faz diálogo potente com Vinicius de Moraes

O cantor Rael apresenta diálogo potente e propositivo com a obra do Poetinha no show Rael Canta Vinicius de Moraes, que merece virar álbum e DVD – Foto: Jorge Bispo – Divulgação – Blog do Arcanjo – UOL

Crítica por Miguel Arcanjo Prado
“Rael Canta Vinicius de Moraes”
Avaliação: Ótimo ✪✪✪✪✪

Grandes artistas têm o costume de dialogar com seus pares do passado. E o músico paulistano Rael faz isso dosando muito bem reverência e personalidade em seu show “Rael Canta Vinicius de Moraes”, apresentado neste sábado (21) na Casa Natura Musical, em São Paulo, no qual visita a obra de um dos mais geniais compositores da música popular brasileira.

No show, sentado em um banquinho e acompanhado dos excelentes músicos Felipe da Costa, na bateria e percussão, e Julio Fejuca, no baixo e violão — com quem fez novos arranjos sofisticados —, Rael enta clássicos, mantendo o clima de boemia com o saudoso uísque ao lado, tão degustado por Vinicius.

Leia entrevista de Rael concedida para a colunista do UOL Adriana de Barros

Artista que sempre se destacou no cenário do rap justamente por seu canto melódico afinado e a delicadeza da poesia de suas canções, o encontro de Rael com Vinicius flui de forma natural e, sobretudo, propositiva de ambos os lados.

É como se as canções de Vinicius, “o branco mais preto do Brasil”, como gostava de apregoar, encontrassem guarita na voz do cantor negro nascido no bairro pobre do Grajaú, na zona sul de São Paulo, e que nunca deixou de valorizar sua “quebrada”.

Assim, os afro-sambas de Vinicius ganham nova personalidade, e músicas como “O Morro Não Tem Vez” incorporam matizes mais fortes, como quando da boca de Rael surge o verso “Quando derem vez ao morro toda a cidade vai cantar” ou quando ressignifica “A Casa”, identificando-a com os barracos das periferias, dando um novo peso à canção pueril.

O amor, tão presente na vida do Poetinha, também tem vez no show e na vida de Rael. E o amor irrompe, farto, em seus hits emblemáticos pela verdade que contêm e cheios de querer-bem, como “Ela me Faz” e “Coração”, canções em que convida o público a cantar junto.

Assim, Rael canta com propriedade, sendo reverente a Vinicius, mas sem ser subserviente, em um belo encontro de gerações musicais, cada qual com sua potência.

“Rael Canta Vinicius de Moraes” demonstra que o artista, aos 16 anos de carreira, galga novo patamar em sua música, repleto de elegância harmônica e domínio farto daquilo do que se convencionou chamar de música popular brasileira. O show merece virar álbum e DVD, afinal, trata-se de um diálogo feito na responsa. Assim como Vinicius, Rael é um grande artista.

Siga Miguel Arcanjo Prado

Você pode gostar...