Karin Roepke celebra volta à TV e estreia no cinema

A atriz Karin Roepke está no filme A Superfície da Sombra e na série Chuteira Preta – Foto: Divulgação – Blog do Arcanjo/UOL

Karin Ropke vive um 2018 movimentado. Após fazer sucesso nos palcos em 2017 com a peça “Marido Ideal”, a atriz brasiliense radicada no Rio e com passagem anterior por São Paulo celebra a volta à TV, na série “Chuteira Preta”, de Paulo Nascimento, prevista para o segundo semestre no canal pago Prime Box Brasil, e a estreia no cinema do filme “A Superfície da Sombra”, também de Paulo Nascimento, em 31 de maio.

Na série, interpreta a ambiciosa e vingativa Flávia, ex-mulher do jogador de futebol protagonista vivido por Márcio Kieling. Já no longa, o segundo de sua carreira, é Antonella, mulher de um atirador de facas cego em um circo.

A atriz, que é casada com o também ator Edson Celulari, já esteve antes na Globo na série “A Vida Alheia” e na novela “Aquele Beijo”, ambas de Miguel Falabella, com quem fez também a primeira versão do musical “Os Produtores”.

Karin conversou com o Blog do Arcanjo no UOL sobre este intenso e celebrado momento com tanto trabalho. Leia com toda a calma do mundo.

Miguel Arcanjo Prado – Dia 31 de maio agora você estreia o filme “A Superfície da Sombra” e no segundo semestre a série “Chuteira Preta”. Está feliz em fazer TV e cinema ao mesmo tempo?
Karin Roepke – Sim, muito! O filme “A Superfície da Sombra” é baseado no romance do Tailor Diniz. É um thriller onírico vivido entre o que é realidade e o que não é . A minha personagem, Antonella, é a mulher do cego atirador de facas do circo. Uma personagem misteriosa e emocionalmente instável. Foi por causa da minha participação nesse filme que o Paulo escreveu a Flávia, personagem do “Chuteira Preta”, para mim. O universo que o Paulo Nascimento criou, tanto no Superfície da Sombra como no Chuteira Preta, ampliaram a minha percepção de mundo e sentimentos. Personagens fortes que enriqueceram a minha forma de experienciar a vida. Só tenho a agradecer por participar de projetos tão interessantes.

Miguel Arcanjo Prado — Como é voltar à TV na série “Chuteira Preta”?
Karin Roepke — É um desafio maravilhoso. A liberdade de dramaturgia que as séries proporcionam resulta em tramas elaboradas, personagens complexos e um ritmo diferente de narrativa. “Chuteira Preta” tem essas qualidades. Fazer uma personagem com o universo rico é um paraíso para todo ator, e a Flávia, minha personagem, tem sido uma escola de vida pra mim.

Miguel Arcanjo Prado – Quem é a Flávia, sua personagem em “Chuteira Preta”?
Karin Roepke – Minha personagem é a Flávia, ex-mulher do Kadu, o protagonista da série, interpretado pelo Márcio Kieling. Ela é a típica ex-mulher problema, quase uma mulher bomba! [risos] Com uma personalidade impulsiva e manipuladora, ela inferniza a vida do Kadu pra atingir seus objetivos. É uma delícia fazer um personagem que transita além do limite do bom senso e na irreverência da normalidade.

Karin Roepke é a ambiciosa e vingativa Flávia, ex-mulher do jogador de futebol vivido por Marcio Kieling na série Chuteira Preta – Foto: Gilberto Perin/Divulgação – Blog do Arcanjo/UOL

Miguel Arcanjo Prado – Como foram as filmagens no Rio Grande do Sul de “Chuteira Preta”?
Karin Roepke –
Eu digo que já faço parte da família Accorde Filmes, a produtora. Fiz o longa-metragem “A Superfície da Sombra” com eles e a equipe de trabalho é a mesma há alguns anos. O clima de amizade resulta em um bom convívio e isso aparece no trabalho. Dizemos, no teatro, que se existe uma boa coxia, o espetáculo acontece. Com a câmera, acho que é a mesma coisa. A liberdade de criação que o diretor, Paulo Nascimento, instala, faz a criatividade fluir e a arte acontecer cena a cena.

Bastidores de Chuteira Preta: o diretor Paulo Nascimento, o ator Zé Vitor Castiel e a atriz Karin Roepke nas filmagens da série prevista para o segundo semestre no canal Prime Box Brazil – Foto: Gilberto Perin/Divulgação – Blog do Arcanjo/UOL

Miguel Arcanjo Prado – Como foi jogar com os colegas de elenco da série?
Karin Roepke – O Seymour Hoffman tem uma frase que diz que um personagem também existe através do olhar dos outros personagens. Eu tenho colegas generosos que fazem a Flávia ser real e extremamente humana, nos deixamos afetar, isso é essencial pra contar uma boa história.

Karin Roepke em 6 momentos, em sentido horário: no musical Garota Glamour, de Wolf Maya (2007), no musical Os Produtores com Miguel Falabella (2008), no musical Hairspray, ao lado de Danielle Winits (2009), na série A Vida Alheia na Globo, ao lado de Paulo Vilhena (2010), na novela Aquele Beijo, de Miguel Falabella (2012) e na peça Marido Ideal (2017) – Fotos: Divulgação – Blog do Arcanjo/UOL

Miguel Arcanjo Prado – Você fez o musical “Os Produtores” há 11 anos, que agora está de volta. Pretende assistir? Ficará com o coração doendo por não estar no palco?
Karin Roepke – “Os Produtores” foi um musical que marcou minha vida, ali fiz grandes e verdadeiros amigos que permanecem até hoje. Foi em “Os Produtores”, também, que conheci o Miguel Falabella. Foi ele que escreveu pra mim meu primeiro personagem pra TV: a Olívia de “A Vida Alheia” e a Alana de “Aquele Beijo”, as duas da TV Globo. Ele me fez descobrir a sutileza e a maravilha do audiovisual, sou muito grata a ele. Em “Os Produtores” eu vivi minha profissão de uma forma muito intensa e feliz, mas não me imagino em outro lugar hoje, que não seja no set do “Chuteira Preta”. Foco total na Flávia!

Saiba mais sobre Karin Roepke

Siga Miguel Arcanjo no Instagram

 

Você pode gostar...