Alexandre Mate – A grande Mostra de Teatro de Heliópolis: a hora da Periferia em Cena

Público acompanha peça na Mostra de Teatro de Heliópolis - Foto: Divulgação

Público acompanha peça na Mostra de Teatro de Heliópolis – Foto: Divulgação

Por ALEXANDRE MATE*

“É duro andar na moda, ainda que a moda 
seja negar minha identidade, 
trocá-la por mil, açambarcando 
todas as marcas registradas, 
todos os logotipos do mercado. 
Com que inocência demito-me de ser 
eu que antes era e me sabia 
tão diverso de outros, tão mim mesmo, 
ser pensante, sentinte e solidário 
com outros seres diversos e conscientes 
de sua humana, invencível condição. 
Agora sou anúncio […]”
Carlos Drummond de Andrade (Eu Etiqueta)

Apesar de o Brasil ser um país periférico, poucos são aqueles que assumem tal condição. Como mais uma fonte (naturalizada) de preconceito, é senso comum imaginar que aqueles que moram longe do “centro” (que centro?: do mundo próximo ou daquele dito globalizado: em que o inglês é condição???) sejam periféricos! Mais do que habitarmos os tristes trópicos, como a eles alguém já se referiu, um de nossos maiores padecimentos (ao lado das injustiças, da alienação, da macaqueação…) é não nos reconhecermos, infelizmente, como aldeia periférica. Tal falta de consciência e apreensão nos leva a múltiplos estados de patologia deformante: olhamo-nos no espelho, mas não nos reconhecemos; tentamos escapar de nossa condição de subdesenvolvidos (em relação àqueles mais ao norte imperialista).

Entretanto, a despeito desse estado de crise pessoal e social e de falta de reconhecimento de si-no-mundo, não são poucos os sujeitos (homens e mulheres), que ao denunciar tantas mazelas sociais e pessoais, se agrupam no sentido de criar novos lugares para ressignificar o nosso estar no mundo. Esparramados pelo Brasil (com “s” e não com “z”), novos territórios de luta vêm sendo construídos diuturnamente.

De 21 a 26 de julho ocorreu em Porto Velho (RO) a oitava edição do Amazônia Encena na Rua. Trabalho surpreendente, com público saindo pelo ladrão no espaço montado na Praça das Três Caixas d’Água. Grupos de diversos estados brasileiros apresentaram-se no Festival, promovido pelo Fecomércio e Sesc/ Senac de Rondônia. Além de oficinas práticas, palestras, um curso de crítica teatral, quinze espetáculos foram levados à cena. Sem dúvida, o evento se caracteriza em grande festa para a população portovelhense.

Muitas iniciativas têm ocorrido sem que tenhamos informações. Entretanto, em plena cidade de São Paulo (que é central ou periférica em relação ao Brasil?…), nos limites territoriais do Ipiranga/ Sacomã/ comunidade de Heliópolis/ São Caetano do Sul, de 1º a 9 de agosto, em diversos espaços da área acima descrita realiza-se a I Mostra de Teatro de Heliópolis: a Periferia em Cena. Constaram da Mostra, oficina de produção e de dança, oficina, bate-papo, um sarau e doze espetáculos, de diversas regiões da cidade.

Quase 200 projetos inscritos

No processo de seleção, a partir de quase 200 projetos inscritos, e de acordo com o edital da Mostra, foram selecionadas obras com inserção em bairros esparramados pela malha territorial da cidade de São Paulo (com mais de 1500 km² de extensão) e de acordo com gêneros e propostas estéticas distintas.

Os espetáculos que constaram da Mostra foram: Um show de variedades palhacísticas, Teatro de Rua, apresentado pelo Teatro de Rocokóz (Parelheiros – Zona Sul; Cidade Submersa, Teatro Adulto – com ênfase aos expedientes do épico-narrativo, apresentado pelo Impulso Coletivo (formado por integrantes da Zona Norte da cidade); apresentação de parte do processo do Projeto Onde o Percurso Começa, Teatro adulto – a partir de expedientes do teatro épico-narrativo, a cargo da Companhia de Teatro de Heliópolis (que foi a propositora e realizadora da I Mostra, cujos integrantes são moradores da comunidade de Heliópolis) – com ênfase aos procedimentos e expedientes do épico-narrativo; A saga do herói morto, Teatro de Rua, apresentado pela Cia. Caixote de Teatro (formado por pessoas da Zona Leste, Santo André e de Ribeirão Pires; Teatro lambe-lambe: o pequeno grande teatro, Teatro Infantil – fundamentado em expedientes do teatro de imagem, apresentado pela Cia. Mala Caixeta de Teatro Surpresa (da Zona Leste); Piratas de Galochas, Teatro de Rua – com ênfase aos expedientes épico-dialéticos, apresentado pelo Coletivo de Galochas (com integrantes de vários pontos da cidade e fundado na ECA-USP); O concerto da Lona Preta, Teatro de Rua – com ênfase à palhaçaria musical, apresentado pela Trupe Lona Preta (cujos integrantes são da Zona Sul); Peter em fúria, Teatro Adulto, com ênfase aos expedientes do teatro épico-musical, apresentado pelo  Pequeno Teatro de Torneado, cujos integrantes (mais de trinta pessoas) moram nos mais diversos bairros da cidade de São Paulo; Histórias de lajes, ruas e vielas, Teatro Adulto – com expedientes do épico-narrativo, apresentado pelo Grupo Arte Simples de Teatro (com integrantes moram em várias regiões da cidade de São Paulo, e cuja sede fica na comunidade de Heliópolis); Um bravo canto para desatar os nós, Teatro de Cordel, apresentado pela Confraria da PaixãoTeatro e Cultura Popular (cuja sede fica na Barra Funda); Juquery: memórias de quase vidas, Teatro Adulto – com ênfase aos procedimentos e expedientes do épico-narrativo, apresentado pelo Teatro Girandolá (cuja sede e atuação centram-se no município de Francisco Morato); Eróticoelha, Performance, apresentada  pelo Coletivo Parabelo (formado por integrantes de vários bairros da cidade); Hospital da gente, Teatro Adulto – com ênfase aos procedimentos e expedientes do épico-narrativo, apresentado pelo Clariô de Teatro (cujas integrantes são de Taboão da Serra).

Atenção de todos (até do cachorro): público da periferia paulistana assiste peça na Mostra de Teatro de Heliópolis - Foto: Divulgação

Atenção de todos (até do cachorro): público da periferia paulistana assiste peça na Mostra de Teatro de Heliópolis – Foto: Divulgação

Imensa aldeia periférica

A I Mostra de Teatro de Heliópolis: a Periferia em Cena foi apresentada em diversos lugares – entre o Sacomã e a comunidade de Heliópolis e conseguiu ser realizada graças ao projeto ter sido selecionado no Programa de Ações Culturais (Proac  – Secretaria de Estado da Cultura) e contou com perto de 2000 espectadores. A equipe de idealização e realização do evento tem a seguinte ficha técnica:

Idealização: Cia de Teatro Heliópolis e MUK; Direção: Miguel Rocha; Direção de Produção: Daniel Gaggini; Curadoria: Alexandre Mate; Diretor Técnico: Toninho Rodrigues (Tom Light); Produção: Dalma Régia; Produtora Assistente: Luh Moreira; Sarau: PC Marciano e Bárbara Esmenia; Assessoria de Imprensa: Eliane Verbena; Designer Gráfico: Camila Teixeira; Fotos e Vídeos: Geovanna Gelan; Revisão Ortográfica do Programa: Luciana Rossi; Assistente de Produção: Fabiana Josefa da Silva, Klaviany Costa, David Guimarães, Donizete Bomfim e Léo GonzagaRealização: Associação Comunitária Nova Heliópolis, Cia. de Teatro Heliópolis e MUK.

Quanto à importância do registro documental do evento descrito, alguns integrantes do Grupo de Pesquisa do Centro Nacional de Pesquisa (CNPq): “Crítica de Teatro de Rua”, coordenado por Alexandre Mate, apresentaram leituras críticas de todos os espetáculos apresentados durante a I Mostra e podem ser lidas na íntegra aqui.

Finalmente, e voltando às especulações iniciais, os/as artistas que participaram da I Mostra de Teatro de Heliópolis: a Periferia em Cena sabem-se, na condição de pertencimento ideológico-político, pertencer à uma imensa aldeia periférica.

O pesquisador teatral e professor da Unesp Alexandre Mate - Foto: Bob Sousa/Divulgação

O pesquisador teatral e professor da Unesp Alexandre Mate – Foto: Bob Sousa

*ALEXANDRE MATE é professor do Instituto de Artes da Unesp (Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”) e pesquisador de teatro.

 

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso