O Retrato do Bob: O mestre italiano Enrico Bonavera, porta-bandeira da commedia dell’arte

Foto de BOB SOUSA
Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O mestre italiano Enrico Bonavera posa no Teatro Commune, em SP – Foto: Bob Sousa

Enrico Bonavera é um dos maiores nomes da commedia dell’arte. O italiano, estrela do Piccolo Teatro de Milão, está em São Paulo, onde começa uma oficina sobre este gênero teatral nesta segunda (12), no Teatro Commune, em parceria com a SP Escola de Teatro. É a sexta vez que visita o Brasil. Além de São Paulo, conhece Campinas, Rio, Salvador, Foz do Iguaçu e Ouro Preto. Diz ser “apaixonado pela cultura brasileira” e revela escutar “Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Chico Buarque, Caetano Veloso e Gilberto Gil”. Desde 1980, estuda o personagem Arlecchino, o nosso arlequim, que considera “muito difícil” de fazer. “É uma psicologia muito elementar, é como uma criança. É preciso regressar às origens”, diz. E declara ser apaixonado pelo jogo no palco: “Teatro é vida, é experiência, é humano”. Conta que trouxe “suas coisas” para o personagem. “Como o palhaço, um arlequim só está pronto depois de décadas, porque o tempo madura a capacidade de se comunicar e emocionar o público. Isso é importante; a técnica é só um veículo”. E entrega quem é seu mestre: “Ferruccio Soleri, que tem 85 anos e ainda atua”. Sobre a commedia dell’arte na atualidade, é temeroso. “O problema é sério. Muita gente não entende que commedia dell’arte é teatro; não é só caricatura. Muitos atuam de uma maneira superficial. É preciso evoluir”. Se puxa a orelha de alguns, também elogia: “Gosto do trabalho do Lume Teatro, de Campinas; é o grupo que mais gosto no Brasil”. Lembra que é preciso compreender o tempo teatral. “Muitas vezes, tenho a sensação de que vivemos um fast food no teatro”, define. Para quem deseja se aprofundar, recomenda a leitura do livro A Arte Mágica [Editora É Realizações], de Amleto Sartori e Donato Sartori, lançado no Brasil no ano passado. E ele sabe o que diz. Já colaborou com o Odin Teatro de Eugenio Barba e ganhou na Itália o Prêmio Arlecchino de Ouro, troféu antes concedido apenas a mestres do quilate de Marcel Marceau, Dario Fo e Ferruccio Soleri. Antes de ser retratado pelo nosso Bob Sousa, empunhando sua primeira máscara de Arlecchino, que conserva com carinho desde 1980, faz questão de dar uma última, e importantíssima, dica: “O teatro é um trabalho de relações”.

Saiba informações da oficina com Enrico Bonavera

Visite o site de Enrico Bonavera

Visite o site de Bob Sousa

Baixe o livro Retratos do Teatro, de Bob Sousa

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Please follow and like us:

2 Resultados

  1. Marina Franco - Lume Teatro disse:

    Olá, Miguel, ficamos muito felizes por termos sido citados pelo querido Enrico na entrevista. Compartilhamos no nosso facebook: https://www.facebook.com/lume.teatro?ref=hl
    Sempre acompanhamos seu blog também. muito obrigada! Um abraço! Marina (Lume Teatro – Campinas)

    • Miguel Arcanjo Prado disse:

      Marina, que bom que a mensagem chegou até vocês. Um forte abraço e sucesso aí pra turma de Campinas, a quem admiro muito!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil e Argentina se beijam na Copa do Mundo do Qatar 2022 Após críticas, Nômade Festival coloca negros com Erykah Badu Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana