Classe teatral se reúne para debater e tentar se inserir na onda de mobilização popular brasileira

José Celso Martinez Corrêa (de vermelho) comandou encontro de artistas no Oficina – Foto: Jennifer Glass

Por Miguel Arcanjo Prado
Fotos de Jennifer Glass

Antes tarde do que nunca: artistas se unem no Oficina para entrar na onda de reivindicações – Foto: Jennifer Glass

Cerca de 500 artistas responderam à convocatória do diretor José Celso Martinez Corrêa e compareceram à sede do Teatro Oficina na noite desta segunda (8), na Bela Vista, em São Paulo, para a reunião chamada Cultura Atravessa.

O objetivo foi discutir o papel da classe teatral na atual conjuntura política do País, com autoridades em todas as esferas tendo de responder às pressas às reinvindicações da população nas ruas.

O encontro paulistano, com objetivo de representação nacional, surge em tempo defasado em relação ao começo das manifestações. Mas, como diz o ditado: antes tarde do que nunca.

Em outras capitais, como Belo Horizonte e Salvador, artistas tomaram a dianteira dos protestos desde o começo.

Em São Paulo, artistas participaram isoladamente das manifestações, como noticiou o R7, mas não havia, até então, uma tentativa de reunião da classe diante do tema.

Além do debate de questões políticas, houve manifestações artísticas e visuais no Oficina.

Cartaz: Zé Celso pede fim da PM – Foto: Jennifer Glass

“Fim da PM”

A atriz Yara Jamra levou cartolinas e canetinhas, para que todos escrevessem palavras de ordem.

Zé Celso pediu o fim da Polícia Militar em seu cartaz, que chamou de “herança dos tempos da ditadura”.

O coletivo carioca Reage Artista também participou da ação. Ney Piacentini, ex-presidente da Cooperativa Paulista de Teatro, falou da necessidade de os artistas se juntarem ao povo.

O jornalista Eugênio Bucci, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, criticou a demonização da imprensa como um todo, e defendeu o papel de alguns jornalistas na cobertura das manifestações, dizendo que foram bons repórteres que colocaram em pauta temas que foram paras as ruas.

A universitária Mayara Vivian representou o Movimento Passe Livre, que deflagrou o processo de mobilização popular em todo o País a partir de São Paulo.

Beijo gay de dez minutos

O coreógrafo Sandro Borelli levou dois bailarinos que fizeram performance na qual se beijavam na boca. O beijo gay, que durou cerca de dez minutos, foi dedicado à Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, presidida por Marco Feliciano. 

João das Neves e Lauro César Muniz discursaram no palco do Teatro Oficina, em SP – Foto: Jennifer Glass

O diretor do grupo paulistano Os Satyros, Rodolfo García Vázquez, o novelista da Record Lauro César Muniz e o diretor mineiro João das Neves discursaram. A psicanalista Maria Rita Khel telefonou e deu depoimento no viva-voz. 

Entre as pautas abordadas estiveram a necessidade de artistas estarem presentes nos movimentos jovens e estudantis, que a periferia e seus artistas precisam ser inseridos no processo cultural, e ainda a necessidade de se reforçar a liberdade de criação e acabar com a figura dos captadores de recursos, que cobram porcentagem dos incentivos recebidos por artistas.

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, já sinalizou que está aberta a realizar reunião com representes que possam surgir destes encontros artísticos. O secretário municipal de Cultura, Juca Ferreira, também mandou avisar que está aberto ao receber a classe.

Ao fim, Zé Celso colocou o Teatro Oficina à disposição para novos debates da classe artística.

Zé Celso vê casal de bailarinos dar beijo gay de dez minutos em coreografia-protesto contra a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados – Foto: Jennifer Glass

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Please follow and like us:

1 Resultado

  1. 09/07/2013

    […] Classe teatral se reúne para debater e tentar se inserir na onda de mobilização popular brasileir… […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil e Argentina se beijam na Copa do Mundo do Qatar 2022 Após críticas, Nômade Festival coloca negros com Erykah Badu Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana