Crítica: Em Facas nas Galinhas, mulher supersticiosa trai o marido e fica mais culta com o amante

Dirigido por Francisco Medeiros, Facas nas Galinhas tem triângulo rural – Foto: Foto: João Caldas

Por Gabriela Quintela*
Especial para o Atores & Bastidores

A história de uma camponesa casada com um lavrador bruto, e que acaba se interessando pelo dono do moinho, parece banal. Mas o enredo de Facas nas Galinhas, que foi a estreia do dramaturgo escocês David Harrower, serve apenas para detonar reflexões sobre o processo de aprendizagem e suas consequências.

Encenada pela primeira vez em 1995, hoje é considerada a peça escocesa com mais montagens pelo mundo (25 países) desde Peter Pan.

Na montagem dirigida por Francisco Medeiros com a Cia. Barracão Cultural, em cartaz em São Paulo, não sabemos o nome da protagonista (vivida por Eloisa Elena). O moleiro (Thiago Andreuccetti) fica sabendo, mas não nos conta. Ele também é chamado apenas de moleiro, sua ocupação. Já a mulher, cuja principal tarefa é cumprir seus deveres de esposa, é chamada, assim, de mulher. O único a ter nome é William, o marido (Cláudio Queiroz) aparentemente infiel. Seu apego pelos cavalos lhe rende até um apelido, artigo de luxo nesta obra estranha e muito concisa: o de “potro William”.

Também não sabemos em que época ou lugar se passa a história, mas parece ser na Europa, na transição entre Idade Média e Moderna.

O cotidiano da mulher não lhe permite nenhum desenvolvimento: sozinha durante o dia enquanto o marido trabalha, ela simplesmente observa a própria mão ou enfia facas nas galinhas para poder cozinhá-las.

Vive a ânsia em nomear as coisas que vê (numa peça que despreza nomes de personagens), num degrau muito inicial da busca pelo conhecimento. Mesmo não sendo analfabeta, ela se assemelha a uma criança descobrindo a linguagem. Ainda não pensa no abstrato, está mais focada nas coisas que observa todo dia: árvores, pássaros, poças e nuvens de cores diferentes.

Conflitando com essa busca por algo que amarre seus pensamentos, ela morre de medo de Deus e do diabo. Essa alienação pela religião está presente em toda a vila, cujas superstições têm como alvo preferido o tal moleiro, muito odiado por não depender do suor para viver, apenas de uma pedra e dos grãos alheios.

Ao contrário dos homens da vila, o moleiro tem tempo de sobra para ler e escrever, e é ele quem fascina a mulher e lhe apresenta uma caneta-tinteiro. A camponesa então aos poucos se transforma, constrói uma identidade que não é mais a de “mulher do potro William”, mas dela própria. Mas o conhecimento traz também a perda da inocência. A nova mulher que surge sabe mais sobre si mesma e sobre o mundo, e sabe também mentir e matar.

Assim como a contextualização de lugar e tempo, a cenografia é enxuta. Mas engenhosa. O cenário assinado por Marco Lima é um palco de madeira, circular e sempre em transformação. Pode virar o moinho, a pedra moedora ou o lar do casal. Um sistema de cordas cria sons e efeitos inesperados. A comida, quando aparece, é mastigada e engolida, e no copo há leite mesmo.

Em vez de mostrar apenas uma jornada individual em busca de saber, Facas nas Galinhas põe em cena a transição que a humanidade fez, do campo para a cidade, e de uma era das trevas para uma era de luz… e de inocência perdida. Ao mesmo tempo, nos faz de certa forma reviver alguns momentos da infância de que nem nos lembramos: quando ainda não tínhamos descoberto sequer o que há de mais elementar no conhecimento, e a linguagem era um mistério.

*Gabriela Quintela, jornalista formada pela UFBA, é editora de home e colunista do R7. Visite o blog dela!

Facas nas Galinhas
Avaliação:
Bom
Quando: Sextas e sábados às 21h30 e domingos às 19h. 70 min. Até 28/4/2013 (nos dias 30 e 31 de março não haverá espetáculo)
Onde: Tucarena (rua Monte Alegre, 1024 – entrada pela rua Bartira, Perdizes, São Paulo, tel. 11/xx/3670-8453)
Quanto: R$ 40 (meia entrada: R$ 20)
Classificação etária: 12 anos

Leia outra crítica do mesmo espetáculo!

Leia também:

Fique por dentro do que os atores fazem nos bastidores

Descubra agora tudo o que as belas misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Please follow and like us:

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    A parte da trama sobre a aprendizagem é bárbara, porém confesso que essa parte do adultério é de meu desgosto. Não concordo com a banalização da traição. Mas consigo entender a complexidade dos personagens.

Deixe um comentário para Felipe Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso