Filmes vencedores em Tiradentes têm negros, mulheres, LGBTs e indígenas

Vencedores da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes: pluralidade presente entre os premiados – Foto Jackson Romanelli/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Após nove dias de 113 filmes vistos por um público de 37 mil pessoas, chegou ao fim no último sábado (1º) a 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes.

Veja fotos da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes
Coordenadora comemora ter levado 37 mil ao cinema

A cerimônia no Cine-Tenda foi marcada pela pluralidade no palco, a começar do número de abertura com a cantora Josi Lopes.

Ao entoar junto de seu tambor mineiro a música “A Festa”, composta por Milena Torres e com acompanhamento de Barulhista, ela chamou a atenção para a apropriação da cultura negra por artistas brancos sem que negros sejam beneficiados com isso. Foi bastante aplaudida.

A importância das representatividades e das pautas identitárias estiveram presentes no palco durante toda a cerimônia, sobretudo nos discursos dos vencedores, entre os quais tinham artistas negros, mulheres, LGBTQIA+s e indígenas.

A cantora Josi Lopes fez performance potente no encerramento da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes: ela cantou que cultura negra é apropriada por brancos sem que negros sejam beneficiados – Foto Netun Lima/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Equipe de Canto dos Ossos, de Jorge Polo e Petrus de Bairros, comemora Troféu Barroco como melhor longa da Mostra Aurora pelo Júri Oficial da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O filme cearense “Canto dos Ossos”, da dupla Petrus de Bairros e Jorge Polo, venceu como melhor longa-metragem da Mostra Aurora na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes, escolhido pelo Júri Oficial, que o definiu assim: “Um filme pode nos dizer coisas pela metade, pode errar ou exagerar e, no entanto, pode, à sua maneira, revelar epifanias que nos oferecem o intempestivo cristal de um segmento de tempo, de gesto, de susto privilegiado”.

O Júri Popular escolheu como melhor longa o filme baiano “Até o Fim”, de Glenda Nicácio e Ary Rosa, e como melhor curta “A Parteira”, de Catarina Doolan, do Rio Grande do Norte.

Equipe de “Yãmĩyhex – As Mulheres-espírito”, de Sueli Maxakali e Isael Maxacali , celebra o Troféu Barroco com o Prêmio Carlos Reichenbach, eleito pelo Júri jovem o melhor longa da Mostra Olhos Livres – Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O Prêmio Carlos Reichenbach, dado pelo Júri Jovem ao melhor longa da Mostra Olhos Livres, foi para “Yãmĩyhex – As Mulheres-espírito”, realizado em Minas Gerais com direção de Sueli Maxakali e Isael Maxakali. “Esse filme é importante para mostrar nossa realidade a vocês”, disse a diretora, que saudou a maior presença de profissionais indígenas no audiovisual brasileiro. O Júri Jovem destacou, no filme, “a delirante efervescência da terra, a estética do estar, um manifesto de atravessamentos”.

Helena Ignez entrega o Prêmio que leva seu nome para a diretora de fotografia Lílis Soares, destaque feminino na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O Prêmio Helena Ignez 2020, oferecido pelo Júri Oficial a um destaque feminino em qualquer função nos filmes das mostras Aurora e Foco, foi entregue pelas mãos da própria atriz e diretora. A vencedora foi a diretora de fotografia Lílis Soares, que esteve em Tiradentes participando de três trabalhos: os curtas “Ilhas de calor”, na Mostra Jovem; “Minha história é outra”, na Mostra Foco; e o longa “Um dia com Jerusa”, na Mostra A Imaginação como Potência.

“O que ela tem feito, articulada em coletivos, como o Coletivo de Diretoras de Fotografia do Brasil, ao qual o júri estende sua homenagem, é um cinema que assume para si a responsabilidade de enfrentar não apenas uma disputa de narrativas, mas o agenciamento de uma sensibilidade preta”, destacou o Júri Oficial. No agradecimento, emocionada, Lílis, que é mulher negra, desejou um cinema brasileiro com mais mulheres e mais pessoas negras na criação.

Equipe de Egum, de Yuri Costa recebe o prêmio de melhor curta da Mostra Foco, eleito pelo Júri Oficial na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

Na Mostra Foco, o Júri escolheu o curta-metragem “Egum” (RJ), com direção de Yuri Costa. Para o júri, “na proposta de abordar a questão racial em sua dimensão sensível, encontramos um filme que se posiciona no âmbito do cinema de gênero, em busca de formas para as sensações de terror e desespero que com frequência atravessam o cotidiano dos corpos negros no Brasil”.

Perifericu recebe Prêmio Canal Brasil de Curtas de Melhor Curta da Mostra Foco na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes- Foto Leo Lara/Universo Produção – Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo UOL

O Prêmio Canal Brasil de Curtas, que oferece R$ 15 mil a um curta também da Foco, foi para “Perifericu”, de Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira, que retrata o cotidiano de um grupo de amigas LGBT no Capão Redondo, bairro de periferia em São Paulo. “Esse filme fala muito sobre vida e é muito bonito poder celebrar essa vida aqui hoje”, destacou Rosa. “Ele fala de existência além da simples sobrevivência. Ao mesmo tempo, é muito triste porque a gente não quer mais ser exceção, queremos ser a regra”. Nos agradecimentos, a equipe falou que foi vítima de preconceito durante a estadia em Tiradentes, mas reiterou que vai continuar ocupando todos os espaços possíveis.

CONFIRA OS PREMIADOS DA 23ª MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES

– Melhor longa-metragem Júri Popular: Até o Fim (BA), de Glenda Nicário e Ary Rosa.

Troféu Barroco;

Da Mistika: R$ 20 mil em serviços de finalização

Da Dot: Master DCP para longa até 120 minutos.

– Melhor curta-metragem Júri Popular: A Parteira (RN), de Catarina Doolan.

Troféu Barroco;

Da Ciario: R$ 5 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Naymar;

Do CTav: 20 horas de mixagem e empréstimo de câmera por duas semanas;

Da Mistika: R$ 6 mil em serviços de finalização

– Melhor curta-metragem pelo Júri Oficial, Mostra Foco: Egum (RJ), de Yuri Costa.

Troféu Barroco;

Da Ciario: R$ 5 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Naymar;

Do CTav: 20 horas de mixagem e empréstimo de câmera por duas semanas;

Da DOT Cine: duas diárias de correção de cor e máster DCP para curta de até 20 minutos;

– Melhor longa-metragem pelo Júri Jovem, da Mostra Olhos Livres, Prêmio Carlos Reichenbach: Yãmĩyhex – As Mulheres-espírito (MG), de Sueli Maxakali e Isael Maxakali.

Troféu Barroco;

Da Ciario: R$ 10 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Naymar;

Da Cinecolor: 5 diárias de correção de cor;

Da Dotcine: máster DCP para longa de até 120 minutos

– Melhor longa-metragem da Mostra Aurora, pelo Júri Oficial: Canto dos Ossos (RJ), de Jorge Polo e Petrus de Bairros.

Troféu Barroco;

Da End Post: R$ 40 mil em serviços de pós produção (laboratório digital, sync, dailies, conform, correção de cor, animação, composição, 3D e masterização);

Da Ciario: R$ 10 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da Naymar;

Da Cinecolor: 5 diárias de correção de cor;

Da Dotcine: máster DCP para longa de até 120 minutos

– Prêmio Helena Ignez para destaque feminino: Lílis Soares, diretora de fotografia.

– Prêmio Canal Brasil de Curtas: Perifericu (SP), de Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira.

Prêmio de R$ 15 mil.

*Enviado especial a Tiradentes (MG), o jornalista e crítico Miguel Arcanjo Prado viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes.

>>> Siga @miguel.arcanjo

Please follow and like us:
Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso