Após ser Elza Soares, Naruna Costa faz novela na Globo, série e cinema

Naruna Costa como Samara em “Deus Salve o Rei”, na Globo: ela ainda está em série da Universal e no filme de Wagner Moura, “Marighella” – Foto: Artur Meninea/Divulgação

Após ganhar o grande público como Elza Soares no musical “Garrincha”, dirigido pelo célebre diretor estadunidense Bob Wilson, Naruna Costa celebra trabalhos na televisão e no cinema. Além de fazer novela na Globo e série no Universal Channel, ela está no filme “Marighella”, dirigido por Wagner Moura.

No ano passado, ainda interpretou Antígona, na peça homônima de Moacir Chaves, o que lhe rendeu uma indicação ao Prêmio APCA de melhor ariz. Agora, celebra o convite da Globo para fazer participação especial na novela “Deus Salve o Rei”, no qual vive Samara.

Além da novela, a partir de 18 de março, Naruna também poderá ser vista na série “Rotas do Ódio”, do Universal Channel.

Em conversa com o Blog do Arcanjo no UOL, Naruna conta que sua participação na novela das 19h tem sido uma experiência muito especial. E revela que teve um cuidado diferenciado por se tratar de uma personagem tão delicada.

“A Samara é uma mulher que cria sozinha seu filho adolescente e, ao se deparar com os cuidados do Príncipe Afonso, é despertada novamente pelo amor, que jamais se concretizará. Os diretores foram muito atenciosos, para que fizéssemos uma construção em que a interpretação não soasse vitimizada, mas ao contrário, forte e digna”, explica.

Naruna Costa como Elza Soares em “Garrincha”, de Bob Wilson – Foto: Bob Sousa

Mulheres fortes parecem ser constantes na carreira da atriz, que na série “Rotas do Ódio”, dirigida pela documentarista Susana Lira, sobre o cotidiano da Decradi – Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância de SP, Naruna dá vida à perita Guerra, braço direito da delegada protagonizada pela atriz Mayana Neiva.

“Faço uma mulher forte, inteligente e muito segura de si”, define sua personagem no canal pago.

Formada na Escola de Arte Dramática (EAD) da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), Naruna é cofundadora do Espaço Clariô Taboão da Serra e do Grupo Clariô de Teatro, referência da militância negra de cultura periférica da cidade de São Paulo.

Naruna conta que foi na adolescência que se encantou pelo teatro: “Nunca tinha visto uma peça de teatro na vida, até que um grupo em circulação passou por Taboão da Serra, onde eu morava, e foi paixão à primeira vista”, recorda.

Depois de algumas oficinas teatrais, Naruna decidiu entrar na EAD e conseguiu ser aprovada na primeira tentativa.

Naruna Costa em “Antígona”: indicada a melhor atriz no tradicional Prêmio APCA – Foto: Gisela Schlogel/Divulgação

Sobre sua indicação ao Prêmio APCA, Naruna conta que foi uma surpresa maravilhosa: “Primeiro pelo reconhecimento de uma atuação tão dedicada, e depois pela representatividade. Eu, uma atriz negra, quando prestigiada pelo trabalho, não vou nem estou sozinha”, comemora.

Quanto ao trabalho com Bob Wilson, a atriz fala que foi uma grande escola. “Considero que a experiência foi uma espécie de ‘formação’ onde pude ter acesso à uma linguagem tão específica e interessante. Fazer a Elza Soares realmente foi um dos grandes orgulhos da minha carreira. Uma das maiores cantoras do nosso país, cuja trajetória é de muita significância para as mulheres negras, a luta racial e a história do Brasil. Merece ser sempre reverenciada”, afirma.

Naruna Costa ganha o beijo de Elza Soares no camarim de “Garrincha”, de Bob Wilson – Foto: Divulgação

A atriz deve voltar aos palcos em breve com a comemoração dos dez anos do espetáculo “Hospital da Gente”, do Grupo Clariô. Recentemente, esteve no filme “A Moça do Calendário”, de Helena Ignez, como a professora Sonia.

Enquanto isso, Naruna termina as filmagens de “Marighella”, longa dirigido por Wagner Moura.

“As gravações foram muito intensas com cenas muito fortes que o Wagner e a equipe souberam conduzir de maneira extraordinária. Ele é um ótimo diretor, pois compreende a temperatura da cena, além de ser muito generoso com os atores, orquestrando o set de acordo com o necessário”, finaliza.

Siga Miguel Arcanjo no Instagram
Curta Miguel Arcanjo no Facebook
Siga Miguel Arcanjo no Twitter

Please follow and like us:
Teatro nos Parques percorre SP e Brasil ‘Se fosse homem, teria mais visibilidade’, diz Eloisa Vitz Musical A Pequena Sereia encanta família inteira no Teatro Santander Capital Inicial lança Natasha com feat de Marina Sena Evita Open Air conquista o público no Parque Villa-Lobos