Ataque racista a Titi é crime covarde e cruel

Titi, junto a seus pais, Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso: menina de quatro anos é vítima do ódio racista – Foto: Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

Filha dos atores Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank, Titi é uma menina de apenas quatro anos que ainda mal começou a atender a vida. Mas, por ser negra, a criança já precisa conviver, em tão inocente idade, com o ódio racista.

Prova disso foi o vídeo feito por Day Mcarthy com ofensas criminosas à menina, que chocou a internet neste fim de semana. Pelo teor e pela forma aberta e desavergonhada que esta mulher pratica o racismo nele. Os pais de Titi avisaram que vão tomar as providências judiciais contra essa mulher. O nome real de Day Mcarthy é Dayane Alcântara Couto de Andrade, de 28 anos, nascida em Vitória, no Espírito Santo. Atualmente, ela está radicada no Canadá.

O racismo sempre é ato covarde e cruel, independentemente da idade de sua vítima.

Contudo, quando praticado contra uma criança indefesa, o racismo impressiona ainda mais, pela falta de humanidade e maldade de sobra.

Como pode aquela mulher falar assim de Titi, de forma tão impune, naquele vídeo? É o que todos nos perguntamos, atônitos.

Leia também: Estudante causa polêmica ao utilizar cota para negros na UFMG

Este novembro, mês da Consciência Negra, prova, infelizmente, que o Brasil e o mundo está a anos-luz de conseguir superar o mal do racismo.

Foi recheado de notícias espantosas, como o apresentador William Waack dizendo “é coisa de preto”, o ator Diogo Cintra sendo entregue por seguranças de um terminal de ônibus a bandidos, a atriz Taís Araújo sendo ridicularizada por dizer que seu filho é vítima do racismo, os funcionários do Extra fazendo blackface, os estudantes brancos que usam a cota para negros na UFMG e ainda notícia de que negros africanos são vendidos como escravos em 2017 por 400 dólares.

O mais triste é que, diante de fatos como estes, ainda há gente que tente culpabilizar os negros que reclamam do racismo, dizendo que são “vitimistas” ou que fazem “mi mi mi”.

Tais falas são uma nova forma moderna de também continuar se praticando o racismo, de forma velada, mas tão desumana e cruel quanto os que o expressam sem rodeios, como aquela mulher, naquele vídeo no qual pratica o crime contra a pequena Titi.

Veja este vídeo no qual o youtuber Spartakus Santiago analisa o racismo na fala da socialite sobre Titi:

Siga Miguel Arcanjo no Instagram
Curta Miguel Arcanjo no Facebook

Please follow and like us:
Morre pai do Padre Marcelo: “Até a eternidade” Colplay cancela shows no Brasil por doença de Chris Martin Marilyn Monroe, Blonde: Curiosidades do filme Tim Maia: 80 anos do eterno síndico Arlete Salles brilha no Teatro das Artes