Rapidinhas teatrais: Bruxas de Wicked viram musas da bossa nova

Myra Ruiz, Claudio Lins e Fabi Bang estão em “Garota de Ipanema, o Musical da Bossa Nova” – Foto: André Wanderley/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

Juntas, outra vez
Após brilharem como as bruxas protagonistas do musical “Wicked” e lotarem teatros no show “Desafiando a Amizade”, a dupla de atrizes Fabi Bang e Myra Ruiz está novamente junta no palco. Elas são musas da bossa nova em “Garota de Ipanema, o Musical da Bossa Nova”, no qual contracenam com Claudio Lins, filho de Lucinha e Ivan Lins. Vou te contar…

Corra, Lola, corra
“Garota de Ipanema, o Musical da Bossa Nova”, dirigido por Sergio Módena, faz sessões só até 1º de outubro no Teatro Opus, no Shopping Villa-Lobos, em São Paulo. Sexta, 21h30, sábado, 21h, domingo, 20h30, com ingressos entre R$ 50 e R$ 160. Corra, que está acabando.

Diego Ribeiro é protagonista de “Pink Star” – Foto: Salim Mhanna/Divulgação

Purpurinado
O ator Diego Ribeiro, protagonista de “Pink Star”, vive brilhando. Não há banho que tire a herança de seu protagonista não-binário Purpurinex.

Falando nisso
A entrega de Diego Ribeiro para esta personagem é impressionante. Está com sangue nos olhos. É só ir à Estação Satyros para conferir.

Robson Catalunha, Maria Alice Vergueiro e Carolina Splendore em “Why the Horse?” – Foto: Annelize Tozetto/Divulgação

Velório sem fim
A atriz e diretora Maria Alice Vergueiro está se preparando para morrer pela 100ª vez nos palcos na peça “Why the Horse?”, desta vez no palco do Teat(r)o Oficina, em São Paulo. Como o desejo de morrer em cena da dama do teatro paulistano ainda não foi realizado, ela volta com o espetáculo do grupo Pândega. Que bom.

Oito chances
Maria Alice Vergueiro promete mais oito sessões – de 5 a 15 de outubro, quinta-feira a domingo. Com dramaturgia de Fábio Furtado, Maria Alice, que também dirige “Why the Horse”, atua ao lado de Luciano Chirolli, Carolina Splendore, Robson Catalunha e Otávio Ortega. Turma boa.

Participativo
A comemoração da 100ª apresentação e dos dez anos do Grupo Pândega acontece no dia 14 de outubro, sábado, com pocket show de Celso Sim, Danilo Oliveira e Mica Matos no velório encenado de Maria Alice. Já no dia 13 de outubro, sexta-feira, a sessão terá artistas do Oficina fazendo intervenção. Eita.

Carreira longa
Com 82 anos de vida e mais de 50 de palco, Maria Alice não pensa em parar. Em suas palavras: “Com sorte, pode ser que eu morra em cena. Se não, estaremos de volta no dia seguinte”, avisa à coluna. Recado dado.

Celso Frateschi em “Sonho de um Homem Ridículo” – Foto: Bob Sousa/Divulgação

Liberdade, liberdade
Sucesso de público e crítica, o espetáculo “Sonho de um Homem Ridículo”, baseado em conto de Dostoiévski com Celso Frateschi e direção de Roberto Lage, faz nova temporada no Ágora Teatro, de 6 de outubro a 10 de dezembro. Vai, gente.

Recado atual
Celso Frateschi conta à coluna que o texto segue atualíssimo: “No momento em que a barbárie avança violenta e rapidamente, destruindo valores humanistas que imaginávamos consagrados pela história e quando o sonho de liberdade individual, justiça social e fraternidade passam a ser vistos como retrógrados, a diversidade como ofensa e que virtuoso é quem rouba bem, o teatro se mantém como espaço de prazer estético e construção de conhecimento”, discursa, antes de decretar: “A linguagem não deve estar a serviço da ideologia, mas da liberdade”. Está coberto de razão.

Renata Carvalho, atriz e travesti – Foto: Ligia Jardim/Divugação

Travesti
Renata Carvalho, a atriz travesti (ela não quer ser chamada de transexual, mas de travesti, para tirar o estigma da palavra) que está no centro da polêmica com a peça “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, gravou nesta semana um vídeo para a revista Claudia, na Editora Abril. A diretora adjunta da publicação, Guta Nascimento, ficou impressionada com a força do discurso de Renata, que busca tirar o estigma e o preconceito que as travestis e trans enfrentam. Danada.

Ovacionada
A volta da peça a São Paulo, após a censura em Jundiaí e liberação judicial em Porto Alegre, lotou o Sesc Santo Amaro e teve até cobertura da Globo News. Foi aplaudida de pé.

Mulheres em pauta
Encerrando o 9º Ciclo do Núcleo de Dramaturgia SESI-British Council, a autora do espetáculo “Enquanto Ela Dormia” (em cartaz no Centro Cultural Fiesp) Carol Pitzer, participa, ao lado da diretora Eliana Monteiro e da atriz Lucienne Guedes, de um bate-papo mediado por Marici Salomão sobre a criação da obra, que trata do abuso sexual de mulheres. O encontro acontece no dia 1º de outubro, às 19h30, logo após a sessão do espetáculo, no Centro Cultural Fiesp (av. Paulista, 1313), com ingressos grátis. Estão todos convidados.

Please follow and like us:
Festival de Curitiba anuncia novidades em 2023 II Expo Internacional Consciência Negra SP The Crown mostra que Charles traiu Diana Caetano Veloso se emociona em show após morte de Gal Costa Prêmio Arcanjo de Cultura acontece no Teatro Sérgio Cardoso