Gay e negro, Madame Satã é tema de musical grátis em SP

Denilson Tourinho vive lendária figura da boemia carioca em “Madame Satã – Um Musical Brasileiro”, com sessões grátis em SP até a Parada Gay na Caixa Cultural da Sé, de quinta a domingo, 19h15 – Foto: Leticia Souza

Por Miguel Arcanjo Prado

O ator Denilson Tourinho celebra poder dar vida nos palcos em um musical à figura lendária carioca de João Francisco dos Santos (1900-1976), mais conhecido como Madame Satã.

“Madame Satã – Um Musical Brasileiro” estreia nesta quinta (8) na Caixa Cultural da praça da Sé, 111, em São Paulo, onde faz temporada gratuita até 18 de junho, sempre de quinta a domingo, às 19h15.

Com direção de João das Neves, a encenação do Grupo dos Dez, de Belo Horizonte, busca revelar o homem por trás do icônico personagem da boêmia Lapa, região central do Rio, em meados do século 20.

“Apresentar o espetáculo Madame Satã às vésperas da Parada LGBT de São Paulo serve para revelar que a história de preconceitos enfrentados por João Francisco dos Santos, gay e negro apelidado de Madame Satã continuam latentes no Brasil”, fala Denilson Tourinho ao Blog do Arcanjo do UOL.

“Na verdade parece que a homofobia e racismo enfrentados por João Francisco na década de 1930 agora têm formas mais sofisticadas e, se antes era camuflada, agora é declarada”, diz.

Para o ator, “tornam-se cada vez mais necessárias todas as formas de promoção do direto de ser e viver as diversidades”.

Musical “Madame Satã” tem direção de João das Neves – Foto: Leticia Souza

A dramaturgia é de Rodrigo Jerônimo e Marcos Fábio de Faria, com direção musical de Bia Nogueira e arranjos de Alysson Salvador. A peça completa a trilogia afro-mineira de João das Neves, importante diretor da história do teatro brasileiro e que também dirigiu os musicais “Galanga – Chico Rei” e “Zumbi”.

“Madame Satã não é uma personagem do passado. Madame Satã vive. Vive na pujança do movimento negro que exige o reconhecimento cada vez maior de seu papel de protagonista na construção de uma sociedade mais justa; vive na dignidade de movimentos que lutam contra a discriminação de gêneros, seja ela qual for”, defende João das Neves.

No elenco estão Rodrigo Jerônimo, Bia Nogueira, Alcione Oliveira, Denilson Tourinho, Evandro Nunes, Juliene Lellis, Gabriel Coupe, Carla Gomes, Kátia Aracelle, Nath Rodrigues, Rodrigo Ferrari, Thiago Amador, Junim Ribeiro e Sam Luca (com sua personagem Drag Queen Azzula).

Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Você pode gostar...