Agressor homofóbico joga pedra durante Gaymada no Festival Curitiba

Artistas da Gaymada, da Toda Deseo, no Festival de Curitiba: agressor covarde atirou pedra durante apresentação – Foto: Emi Hoshi/Clix

Por Miguel Arcanjo Prado
Enviado especial a Curitiba*

Um agressor homofóbico atirou uma pedra durante a apresentação da performance O Campeonato Interdrag de Gaymada no Festival de Curitiba, na Boca Maldita, centro da capital paranaense.

A ação performativa é do coletivo Toda Deseo, de Belo Horizonte, que luta contra o preconceito e pela visibilidade da comunidade LGBT.

Um professor que estava na plateia foi atingido no ombro pela pedra. O fato aconteceu no último dia 29, e o agressor fugiu de forma covarde após atirar a pedra.

O espectador agredido teve toda assistência por parte da produção do Festival e não precisou ser hospitalizado. Ele chegou, inclusive, a participar depois de uma roda de conversa sobre a peça.

“Foi assustador”, diz ator

Em entrevista ao Blog do Arcanjo do UOL, o ator David Murity, da Toda Deseo, falou que os artistas demoraram a perceber a agressão. “Pra gente foi assustador! Já fizemos 18 edições da Gaymada, em BH, Ouro Preto e Rio, e em nenhuma das anteriores houve qualquer tipo de violência física”, afirma.

Segundo ele, já houve xingamentos homofóbicos, mas que foram “transformados em risos” pelos artistas. Maurity conta que o grupo foi avisado da homofobia grande em Curitiba por amigos da cena artística paranaense.

“A gente tinha sido avisado, quando soubemos da vinda para Curitiba, de que a violência homofóbica e transfóbica é grande nesta cidade. Falaram para a gente tomar cuidado e evitar andar sozinho pelas ruas”, revela.

Rafael Lucas Bacelar e Cristal Lopez – Foto: Emi Hoshi/Clix

Para o ator, foi triste confirmar os alertas: “Confirmamos aquilo que algumas pessoas da cidade falaram pra gente, que é uma cidade violenta e pouco amistosa para a comunidade LGBT. Então, a Gaymada virou um grito de resistência dessa comunidade em Curitiba”, discursa.

“Por mais que fiquemos chateados com a violência, percebemos o impacto que a Gaymada tem nos preconceituosos e homofóbicos”, afirma Maurity, antes de concluir: “É uma pena que isso tenha acontecido aqui em Curitiba. Mas, vamos seguir em frente”.

O ator David Maurity durante a Gaymada: em 18 apresentações, esta foi a primeira agressão física que os artistas sofreram – Foto: Annelize Tozetto/Clix

O grupo Toda Deseo apresenta neste sábado (1º) e domingo (2), às 20h, a peça “Nossa Senhora [da Luz]”, também com temática LGBT, na praça Santos Dumont, em Curitiba, com entrada gratuita.

Festival de Curitiba lamenta agressão homofóbica

Procurado pelo Blog do Arcanjo do UOL, o Festival de Curitiba, por meio de assessoria, lamentou o ocorrido, afirmou que é contra qualquer tipo de violência e preconceito e que dá espaço a diversos espetáculos que dão visibilidade às pessoas LGBT em sua programação.

Detalhe do figurino da Gaymada – Foto: Annelize Tozetto/Clix

A atriz Nina Ribas durante a Gaymada – Foto: Annelize Tozetto/Clix

Cristal Lopez, a diva mineira da Gaymada – Foto: Annelize Tozetto/Clix

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Festival de Curitiba.

Você pode gostar...