Mulheres acusadas de ‘loucas’ por ditaduras inspiram Anônimo Não É Nome de Mulher, peça portuguesa na SP Escola de Teatro

Anônimo Não É Nome de Mulher tem as atrizes Luísa Pinto e Maria Quintelas na pele de mulheres tidas como ‘loucas’ por regimes totalitários – Foto: Paulo Pimenta/Divulgação – Blog do Arcanjo 2023

Espetáculo mostra como regimes totalitários usaram acusação de ‘loucura’ para encarcerar mulheres que lutavam por liberdade

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
@miguel.arcanjo

O espetáculo português Anônimo Não É Nome de Mulher, com texto de Mariana Correia Pinto e encenação de António Durães, faz duas imperdíveis sessões na SP Escola de Teatro (Praça Roosevelt, 210), nesta quinta (9) e sexta (10), sempre às 20h30, em São Paulo, com entrada gratuita e retirada prévia pela Sympla.

A obra fez sucesso recente em Portugal, onde foi apresentada na Casa de Artes de Famalicão em 19 de janeiro último e depois circulou pelo país europeu.

Em cena, estão as atrizes Luísa Pinto e Maria Quintelas, grandes nomes do teatro de Portugal. A obra conta com trilha de Cristina Bacelar, iluminação de Francisco Alves, cenografia do diretor e assistência de encenação de Joaquim Gama.

A obra aborda questões de direitos humanos ligadas ao gênero, mecanismos de repressão e violência doméstica, com foco nas mulheres que se recusaram seguir os pressupostos da sociedade do seu tempo e que foram consideradas loucas e/ou internadas em instituições, criando conexões entre regimes totalitários na Itália, Portugal e Brasil.

O texto tem inspiração nos escritos de Annacarla Valeriano, no livro Malacarne – Mulheres e Asilo, na Itália Fascista (Donzelli Editora, 2017), onde se aborda a internação de mulheres, que divergiam dos modelos sociais dominantes e por isso foram acusadas e tratadas de loucas, na Itália durante o período do regímen fascista.

Outra obra fundamental foi Holocausto Brasileiro, de Daniela Arbex, em visitas ao Memorial da Resistência em São Paulo, além de pesquisa histórica sobre o período do fascismo em Portugal, com a prisão de mulheres no Forte de Peniche.

Em cena, o público tem acesso a depoimentos de mulheres em situações de encarceramento por não estarem dentro das normativas sociais, políticas e de gênero, interpretados pelas atrizes portuguesas.

A peça integra a pesquisa artística de Luísa Pinto de pós-doutoramento na ECA-USP, orientada por Beth Lopes com apoio do Centro de
Estudos Arnaldo Araújo – CEAA, na cidade do Porto, Portugal, e da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, em São Paulo.

Peça portuguesa em SP: Luísa Pinto e Maria Quintelas estão em Anônimo Não É Nome de Mulher na SP Escola de Teatro – Foto: Paulo Pimenta/Divulgação – Blog do Arcanjo 2023

Anônimo Não É Nome de Mulher

Quando: 9 e 10 de Fevereiro de 2023, às 20h30
Onde: Sala Alberto Guzik – SP Escola de Teatro – Pça Franklin Roosevelt, 210, São Paulo; metrô Anhangabaú, República ou Higienópolis-Mackenzie.
Quanto: Grátis – Retire seu ingresso!
Debate: Dia 9 de fevereiro, após a estreia haverá um bate-papo sobre o espetáculo, até de 40 minutos, com a equipe artística e com especialistas na área do tema da encenação. Serão convidados os seguintes profissionais para reflexões com o público:
Mediação – Elizabeth Silva Lopes (ECA/USP);
Debatedores – Glenda Mezarobba (Consultora no PNUD – Comissão Nacional da Verdade – Brasil); Ana Pato (diretora do Memorial da Resistência), Gero Camilo (ator, dramaturgo e musico)

Siga @miguel.arcanjo no Instagram

Ouça Arcanjo Pod no Spotify

Blog do Arcanjo no YouTube

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é miguel-arcanjo-prado-foto-edson-lopes-jr.jpg

Jornalista cultural influente e respeitado no Brasil, Miguel Arcanjo Prado é CEO do Blog do Arcanjo, fundado em 2012, e do Prêmio Arcanjo, desde 2019. É Mestre em Artes pela UNESP, Pós-graduado em Mídia e Cultura pela ECA-USP, Bacharel em Comunicação pela UFMG e Crítico da APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, da qual foi vice-presidente. Coordena a Extensão Cultural da SP Escola de Teatro e apresenta o Arcanjo Pod. Eleito três vezes um dos melhores jornalistas culturais do Brasil pelo Prêmio Comunique-se. Passou por Globo, Record, R7, Record News, Folha, Abril, Huffpost Brasil, Notícias da TV, Contigo, Superinteressante, Band, CBN, Gazeta, UOL, UMA, OFuxico, Rede TV!, Rede Brasil, Versatille, TV UFMG e O Pasquim 21. Integra o júri de Prêmio Arcanjo, Prêmio Jabuti, Prêmio Governador do Estado de São Paulo, Prêmio Sesc Melhores Filmes, Prêmio Bibi Ferreira, Prêmio Destaque Imprensa Digital, Prêmio Guia da Folha e Prêmio Canal Brasil de Curtas. Vencedor do Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Destaque em Comunicação Nacional ANCEC, Troféu Inspiração do Amanhã, Prêmio África Brasil, Prêmio Leda Maria Martins e Medalha Mário de Andrade do Prêmio Governador do Estado, maior honraria na área de Letras de São Paulo.
Foto: Edson Lopes Jr.
© Blog do Arcanjo – Entretenimento por Miguel Arcanjo Prado | Todos os direitos reservados.

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *