Festival Satyrianas terá peças até no TikTok: saiba como inscrever seu projeto!

O Festival Satyrianas não deixará de celebrar a primavera 2020 como vem fazendo há duas décadas. E, dessa vez, até o aplicativo TikTok será transformado em espaço cênico.

O efervescente evento cultural comandado pela Cia. de Teatro Os Satyros e cujo epicentro é a praça Roosevelt chega à sua 21ª edição, que será realizada entre 3 e 6 de dezembro de 2020, com 78 horas ininterruptas de programação digital.

As inscrições gratuitas de projetos vai até 8 de novembro neste formulário digital. Podem se inscrever artistas e coletivos de teatro, dança, circo, audiovisual, performance, literatura e música, entre outros.

Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez: Satyrianas 2020 celebra 20 anos da Cia. de Teatro Os Satyros na praça Roosevelt – Foto: Bob Sousa – Blog do @miguel.arcanjo

O tema do evento é Satyrianas 2020 – Pra Não Dizer Que Não Falaremos de Flores. Segundo Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez, fundadores do Satyros, a programação será toda digital. “Vamos celebrar os 20 anos da sede do Satyros na praça Roosevelt”, pontuam. O grupo mudou a história do local no centro paulistano, que após sua chegada se transformou de um lugar perigoso em epicentro cultural da cidade.

O coordenador geral da Satyrianas, Gustavo Ferreira, à frente da produção com assistência do ator Diego Ribeiro, conta ao Blog do Arcanjo que “os eventos, todos gratuitos, serão apresentados em variadas plataformas digitais, como Zoom, YouTube, Facebook, Instagram, Twitter, Whatsapp e TikTok”.

Gustavo Ferreira, coordenador geral da Satyrianas – Foto: Bob Sousa – Blog do @miguel.arcanjo

Nos últimos anos, o Festival Satyrianas reúne a impressionante quantia de 2.500 artistas em 500 diferentes eventos que atingem mais de 50 mil pessoas.

“Vivemos tempos quase insuportáveis, de dor e ódio, tanto na nossa aldeia quanto no planeta. Mais do que nunca, precisamos fazer da nossa arte uma luz de esperança para o futuro.”, complementa Rodolfo García Vázquez.

Faça sua inscrição na Satyrianas!

Categorias do Festival Satyrianas

– Teatro
– Performance
– Dança
– Música
– Cinema
– Circo
– DramaMix (espetáculos curtos com texto inédito, de até 20 min.)
– PodcastMix (websérie em áudio, 3 episódios em formato podcast, de até 10 min. cada)
– PapoMix e Lives (debates, palestras, entrevistas, bate-papos)
– Recortes Digitais (cenas curtas gravadas, de até 1min.)
– Workshop
– Contação de Histórias
– Outros

Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez criam a Cia. de Teatro Os Satyros em 1989 em um bar no largo do Arouche, centro de São Paulo – Foto: Arquivo Blog do @miguel.arcanjo

Cia. de Teatro Os Satyros

A Companhia de Teatro Os Satyros foi fundada em São Paulo, em 1989, por Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez. Já com o primeiro trabalho, “Aventuras de Arlequim”, a cia recebeu o Troféu APCA de Melhor Ator (Ivam Cabral) e Atriz Coadjuvante (Rosemeri Ciupak), além da indicação ao Prêmio Mambembe de Melhor Texto (Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez). Mas foi em 1990, a partir da montagem “Sades ou Noites com os Professores Imorais”, que a companhia se tornaria nacionalmente conhecida.

Na época, o grupo assume a direção do Teatro Bela Vista e realiza diversas iniciativas culturais. É deste período a organização do “Folias Teatrais”, evento em homenagem à primavera, que deixa o Teatro Bela Vista aberto ininterruptamente durante 4 dias e 4 noites e, assim, pontua a resistência da cultura naquele difícil momento. Durante o evento, a companhia recebeu artistas de diversos lugares do país, das áreas de artes plásticas, teatro, dança, música, jornalismo e literatura.

Norma Bengell e Ivam Cabral em Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, em encenação de Rodolfo García Vázquez com o Satyros em 2008 – Foto: Flavio Sampaio/Arquivo Satyros

Com a estreia de “Saló, Salomé”, em 1991, Os Satyros começam a definir uma linha própria de pesquisa. Depois de um ano em cartaz em São Paulo, o espetáculo é convidado a representar o Brasil em alguns festivais de teatro europeus: o FITEI, em Portugal, e o Festival Castillo de Niebla, na Espanha. Desta forma nasce a sede portuguesa do grupo. Instalados em Lisboa, Os Satyros produzem vários espetáculos e se apresentam em importantes teatros na Europa.

A partir de 1994, a companhia começa a trabalhar novamente no Brasil e elege Curitiba para abrigar a sua sede brasileira. Nesta fase o grupo trabalha intensamente entre Brasil e Portugal. Em 1997, enquanto trabalham no eixo Curitiba-Lisboa-Berlim, Os Satyros são convidados a desenvolver trabalhos para a instituição alemã Interkunst.

Cléo De Páris na praça Roosevelt na peça Édipo na Praça, do Satyros, em 2013: musa incontestável da companhia – Foto: Bob Sousa – Blog do @miguel.arcanjo

Em 2000, com a inauguração da sede paulistana da companhia na Praça Roosevelt, Os Satyros fecham as portas de seu braço português. Entre os anos de 2000 e 2005, quando deixam a direção do Interkunst, Os Satyros trabalham em Curitiba, São Paulo e em diversas cidades europeias, pois o trabalho da instituição alemã não se limita apenas às cidades alemãs.

Principais responsáveis pela revitalização da Praça Roosevelt – ao chegarem ali o local era considerado um dos mais perigosos do centro da cidade – Os Satyros têm realizado importante trabalho social. Desde a sua chegada à Praça, o grupo realiza, no início da primavera, a maratona cultural Satyrianas. O evento que, durante 78 horas ininterruptas, oferece inúmeras atividades teatrais de acesso livre aos moradores da cidade, passou, a partir de 2009, a integrar o calendário oficial do Estado de São Paulo.

Diva eterna: Phedra D. Córdoba na frente da sede do Satyros na praça Roosevelt – Foto: Bob Sousa – Blog do @miguel.arcanjo

Em sua última edição, Satyrianas contou com a participação de mais de 7.000 artistas, ofereceu 600 atrações e atingiu um público de cerca de 60 mil espectadores. Em 2014, após trabalhos com seriados e programas de televisão, Os Satyros lançam seu primeiro longa, “Hipóteses para o Amor e a Verdade”, marcando o nascimento do braço Satyros Cinema.

“A Filosofia na Alcova”, segundo longa da produtora, foi lançado em novembro de 2017, sendo o último trabalho cinematográfico da atriz cubana Phedra D. Córdoba, diva do grupo e da praça Roosevelt.

Em seu curriculum, Os Satyros trazem mais de 100 espetáculos, apresentações em 27 países e mais de100 prêmios – incluindo os maiores do teatro brasileiro, como APCA, Shell, Mambembe, APETESP e Governador do Estado de São Paulo.

Siga @miguel.arcanjo

Ouça o Podcast do Arcanjo

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *